quinta-feira, julho 22, 2010

Atirou o pau no gato



Eu, como admirador do animal da família dos felinos, mais conhecido como "gato", quero fazer algumas considerações sobre a violência a qual o bichano ronrronador muitas vezes é submetido.
Este que já foi tão bem representado nas telas, por personagens como aquele comedor de lazanha chamado Garfield ou pelo esperto Manda-Chuva que, juntamente com sua trupe de gatos infernizam a vida do patético Guarda-Belo, é muitas vezes discriminado violentamente pelo seu jeito preguiçoso de ser ou pela sua maneira oportunista e quase sempre com aquela ar de nãoestounemai.

O fato é que tudo começa na infância, quando criancinhas inocentes começam a verbalizar a violência ao aprenderem a música "atirei o pau no gato". Algum orgão protetor dos animais, deveria censurar de maneira veêmente essa aparentemente inocente cantiga de roda que já tão precocemente incita a violência contra os bichanos.

Pra quê ensinar o ingênuo infante a atirar o pau no gato, só pra ver se ele morre, o que não chega a ocorrer devido as sete vidas com as quais a natureza o presentiou, e sair gritanto nãomorreurreurreu. É notório que atrás desse ato maldoso, existe a presença de um adulto de mente doentia e sociopática, senão a mais conhecida das donas Chica-ca-cas que não deixa o gato em paz mas fica aguardando anciosamente e com admiração sem igual, o berrôôôô que o gato deuuu, pois se não morreuuu....doeuuuu.

Um comentário:

Lady Murphy disse...

Caralho, que escrita fudida que você tem. Dá muito mais humor ao texto essa maneira formal com que você escreve e eu adoro esse tipo de humor.
Tô com inveja desses textos.